AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - PORTUGUÊS E MATEMÁICA

Is this your test? Login to manage it. If not, you can make a quiz just like it.

1.
3 points
TEXTO: A bola

O pai deu uma bola de presente ao filho. Lembrando o prazer que sentira ao ganhar a sua primeira bola do pai. (...)
O garoto agradeceu, desembrulhou a bola e disse “Legal!”. Ou o que os garotos dizem hoje em dia quando gostam do presente ou não querem magoar o velho. Depois começou a girar a bola, à procura de alguma coisa.
- Como é que liga? – perguntou.
- Como, como é que liga? Não se liga.
O garoto procurou dentro do papel de embrulho.
- Não tem manual de instrução?
O pai começou a desanimar e a pensar que os tempos são outros. Que os tempos são decididamente outros.
- Não precisa manual de instrução.
- O que é que ela faz?
- Ela não faz nada. Você é que faz coisas com ela.
- O quê?
- Controla, chuta...
- Ah, então é uma bola.
- Claro que é uma bola.
- Uma bola, bola. Uma bola mesmo.
- Você pensou que fosse o quê?
- Nada não...

(Luis Fernando Veríssimo – Comédias para se ler na escola. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001,
pp. 41-42.)

(D19) No diálogo entre pai e filho, a repetição dos termos liga, manual de instrução, faz e bola é explorada pelo autor para
2.
1 point
TEXTO: A bola
O pai deu uma bola de presente ao filho. Lembrando o prazer que sentira ao ganhar a sua primeira bola do pai. (...)
O garoto agradeceu, desembrulhou a bola e disse “Legal!”. Ou o que os garotos dizem hoje em dia quando gostam do presente ou não querem magoar o velho. Depois começou a girar a bola, à procura de alguma coisa.
- Como é que liga? – perguntou.
- Como, como é que liga? Não se liga.
O garoto procurou dentro do papel de embrulho.
- Não tem manual de instrução?
O pai começou a desanimar e a pensar que os tempos são outros. Que os tempos são decididamente outros.
- Não precisa manual de instrução.
- O que é que ela faz?
- Ela não faz nada. Você é que faz coisas com ela.
- O quê?
- Controla, chuta...
- Ah, então é uma bola.
- Claro que é uma bola.
- Uma bola, bola. Uma bola mesmo.
- Você pensou que fosse o quê?
- Nada não...
(Luis Fernando Veríssimo – Comédias para se ler na escola. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001,
pp. 41-42.)

(D5)O tema do texto está presente em
3.
1 point
TEXTO: A bola
O pai deu uma bola de presente ao filho. Lembrando o prazer que sentira ao ganhar a sua primeira bola do pai. (...)
O garoto agradeceu, desembrulhou a bola e disse “Legal!”. Ou o que os garotos dizem hoje em dia quando gostam do presente ou não querem magoar o velho. Depois começou a girar a bola, à procura de alguma coisa.
- Como é que liga? – perguntou.
- Como, como é que liga? Não se liga.
O garoto procurou dentro do papel de embrulho.
- Não tem manual de instrução?
O pai começou a desanimar e a pensar que os tempos são outros. Que os tempos são decididamente outros.
- Não precisa manual de instrução.
- O que é que ela faz?
- Ela não faz nada. Você é que faz coisas com ela.
- O quê?
- Controla, chuta...
- Ah, então é uma bola.
- Claro que é uma bola.
- Uma bola, bola. Uma bola mesmo.
- Você pensou que fosse o quê?
- Nada não...
(Luis Fernando Veríssimo – Comédias para se ler na escola. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001,
pp. 41-42.)

(D2)O fato incomum, no texto, aparece quando o menino
4.
1 point
Texto 01
As questões de números 1 a 5 baseiam-se no texto apresentado abaixo.
TEXTO: A bola
O pai deu uma bola de presente ao filho. Lembrando o prazer que sentira ao ganhar a sua primeira bola do pai. (...)
O garoto agradeceu, desembrulhou a bola e disse “Legal!”. Ou o que os garotos dizem hoje em dia quando gostam do presente ou não querem magoar o velho. Depois começou a girar a bola, à procura de alguma coisa.
- Como é que liga? – perguntou.
- Como, como é que liga? Não se liga.
O garoto procurou dentro do papel de embrulho.
- Não tem manual de instrução?
O pai começou a desanimar e a pensar que os tempos são outros. Que os tempos são decididamente outros.
- Não precisa manual de instrução.
- O que é que ela faz?
- Ela não faz nada. Você é que faz coisas com ela.
- O quê?
- Controla, chuta...
- Ah, então é uma bola.
- Claro que é uma bola.
- Uma bola, bola. Uma bola mesmo.
- Você pensou que fosse o quê?
- Nada não...
(Luis Fernando Veríssimo – Comédias para se ler na escola. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001,
pp. 41-42.)

(D22) O efeito de humor provocado pelo texto nasce, sobretudo,
5.
1 point
TEXTO: A bola
O pai deu uma bola de presente ao filho. Lembrando o prazer que sentira ao ganhar a sua primeira bola do pai. (...)
O garoto agradeceu, desembrulhou a bola e disse “Legal!”. Ou o que os garotos dizem hoje em dia quando gostam do presente ou não querem magoar o velho. Depois começou a girar a bola, à procura de alguma coisa.
- Como é que liga? – perguntou.
- Como, como é que liga? Não se liga.
O garoto procurou dentro do papel de embrulho.
- Não tem manual de instrução?
O pai começou a desanimar e a pensar que os tempos são outros. Que os tempos são decididamente outros.
- Não precisa manual de instrução.
- O que é que ela faz?
- Ela não faz nada. Você é que faz coisas com ela.
- O quê?
- Controla, chuta...
- Ah, então é uma bola.
- Claro que é uma bola.
- Uma bola, bola. Uma bola mesmo.
- Você pensou que fosse o quê?
- Nada não...
(Luis Fernando Veríssimo – Comédias para se ler na escola. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001,
pp. 41-42.)

(D23) Transformando a expressão "Legal!" para uma linguagem formal teríamos
6.
1 point
Literatura informativa

A literatura informativa compõe-se de textos descritivos sobre a terra descoberta, produzidos nos primeiros tempos da nossa colonização. Esses textos têm grande valor histórico: são cartas e relatórios de navegantes, administradores, missionários. Um dos principais objetivos dessa literatura de informação era retratar a fauna e a flora da nova terra, as riquezas minerais, os costumes dos nativos. O primeiro documento é a famosa carta de Pero Vaz de Caminha – saboroso e minucioso relato das primeiras impressões de um europeu sobre nossa terra tropical e seus primitivos habitantes. Nessa carta, além de passagens descritivas, há também pequenas narrativas, quando Caminha conta, por exemplo, as reações dos índios ao desembarque dos navegadores portugueses.
(Adaptado de Maria Fernandes Cócco e Marco Antonio Hailer. Novo ALP, pp. 27-28)

(D1) O texto informa que o primeiro texto descritivo sobre o Brasil procurava retratar
7.
1 point
Literatura informativa
A literatura informativa compõe-se de textos descritivos sobre a terra descoberta, produzidos nos primeiros tempos da nossa colonização. Esses textos têm grande valor histórico: são cartas e relatórios de navegantes, administradores, missionários. Um dos principais objetivos dessa literatura de informação era retratar a fauna e a flora da nova terra, as riquezas minerais, os costumes dos nativos. O primeiro documento é a famosa carta de Pero Vaz de Caminha – saboroso e minucioso relato das primeiras impressões de um europeu sobre nossa terra tropical e seus primitivos habitantes. Nessa carta, além de passagens descritivas, há também pequenas narrativas, quando Caminha conta, por exemplo, as reações dos índios ao desembarque dos navegadores portugueses.
(Adaptado de Maria Fernandes Cócco e Marco Antonio Hailer. Novo ALP, pp. 27-28)

(D3) A expressão "saboroso e minucioso relato" quer dizer
8.
1 point
Literatura informativa

A literatura informativa compõe-se de textos descritivos sobre a terra descoberta, produzidos nos primeiros tempos da nossa colonização. Esses textos têm grande valor histórico: são cartas e relatórios de navegantes, administradores, missionários. Um dos principais objetivos dessa literatura de informação era retratar a fauna e a flora da nova terra, as riquezas minerais, os costumes dos nativos. O primeiro documento é a famosa carta de Pero Vaz de Caminha – saboroso e minucioso relato das primeiras impressões de um europeu sobre nossa terra tropical e seus primitivos habitantes. Nessa carta, além de passagens descritivas, há também pequenas narrativas, quando Caminha conta, por exemplo, as reações dos índios ao desembarque dos navegadores portugueses.
(Adaptado de Maria Fernandes Cócco e Marco Antonio Hailer. Novo ALP, pp. 27-28)


(D10) A finalidade essencial do texto que você acabou de ler é
9.
1 point
Um avião tem capacidade para transportar 140 passageiros, mas em determinado vôo apenas 87 passageiros embarcaram.
Nesse vôo, quantos passageiros a mais seriam necessários para lotar o avião?
10.
1 point
Para fazer uma receita, Regina precisa de 1 kg de carne. Ao tirar o pacote de carne da geladeira, vê que ele tem apenas 625 gramas. De quantos gramas de carne ela ainda precisa para fazer a receita?
11.
1 point
Augusto está estudando para fazer a prova de Matemática de um concurso. Ele vai resolver um total de 216 exercícios e se organizou para fazer 18 exercícios por dia.

Em quantos dias conseguirá resolver todos os exercícios?
12.
1 point
Para ir de Porto Alegre a Curitiba, um avião leva uma hora e meia.

Essa viagem dura
13.
1 point
Daniele tinha 584 cartões telefônicos em sua coleção. Hoje, sua prima Juliana deu-lhe 64 cartões, mas ela perdeu 12 deles.
Quantos cartões Daniele tem em sua coleção agora?
14.
1 point
Ao pagar um par de sapatos, que custava R$ 54,00, Mariana pediu para sua mãe R$ 28,00 para completar com o que ela tinha na bolsa.
Quanto Mariana tinha na bolsa?
15.
1 point
Ricardo somou cinco dezenas ao número 4 250.
O resultado que ele encontrou foi
16.
1 point
Ontem, o termômetro marcou 32,4 graus centígrados.
Hoje, a temperatura diminuiu 2,8 graus centígrados. Quantos graus centígrados o termômetro está marcando hoje?
17.
1 point
Pedro andou 6 quilômetros para ir de sua casa até a lagoa. Quantos metros ele andou?
18.
1 point
Natália anotou o número abaixo em seu caderno de anotações.

3043

Uma outra forma de escrever esse número é